Tuesday, May 15, 2007

O que esperam os outros de mim?


Esperam que responda como querem ouvir?
Que inspire da verdade da vida, ou que dê noção de uma falsa aparência?
O que esperam?
Esperam que me cale? Que me redima ao silêcio?
Ou esperam que lhes diga apenas o que lhes sabe bem ouvir?
O que esperam quando há polos que não se veêm?
Que lhes indique o caminho como se fosse uma bussula?

Ninguém tem o direito de querer viver pelo outo, ninguém tem o direito de influenciar um outro como sendo a sua verdade, mais verdadeira que a do outro, nem de influenciar a sua caminhada de vida.

Eu não sou mais do que o outro, sou igual, não me posso sobrepôr á verdade dele, porque ambas são válidas.

A vida deve ser vivida com intensidade.
Na lembrança que cada pessoa é um ser individual, que se predispõe para viver em comunidade. Um ser social.
Que não deve anular a sua verdade.
Mas também não pode sobrepôr a sua verdade, como se fosse a mais acertada a um outro.

Cada pessoa tem o livro arbitrio de escolher o que é melhor para si próprio, tomando ou não consciência dos seus actos, é um risco que só por essa pessoa tem de ser traçado, vivido.
É isso que nos distingue, um conjunto de experiencias e vivências que só por nós mesmos podem ser vividas.


Não me posso sumeter á lei de um outro, assim como não posso querer prevalecer a minha verdade sobre a do outro.
Cada um com a sua verdade.
Cada um com a sua escolha.
Cada um com uma cabeça.
Cada um com a sua sentença.

Unindo esforços e prevalecendo nas adversidades, caminhamos lado a lado, sempre nos igualando e complementarizando, mas não nos sobrepondo a qualquer coisa ou a alguém.

A minha verdade é apenas a minha verdade.
A verdade do outro é a sua verdade
E a segunda é tão válida quanto a primeira.
Não é maior, nem melhor.
É igual.

O que esperam os outros de mim... que lhes diga a minha verdade?
Ou a verdade que eles esperam e querem ouvir?


És maior porque te fizeste maior, ou és maior porque a tua opinião é mais válida que a minha?
E és maior?
Quando te fizeste maior?
Ou quando foste concebido?
És maior hoje, ou só amanhã?
Ou és igual com tudo o que és por dentro, desde sempre?

1 comment:

Pi said...

nem mais nem menos!

isto sim é OBJECTIVIDADE..

força, manda cá para fora...

TUDO!